MERCADO

Pelas previsões do Plano Decenal da Expansão 2030, com o crescimento médio da economia e da oferta de energia em 2,9% e 3,0% ao ano, respectivamente, até o fim do horizonte do estudo, o país deve consolidar a sua condição de exportador de petróleo, permanecendo como importador líquido dos principais derivados, com destaque para as importações de nafta, QAV e óleo diesel.

No caso do diesel, devem ser alcançados patamares de importação superiores às máximas históricas e, em relação à produção de óleo combustível, apesar da tendência de queda dos volumes exportados ao longo do horizonte decenal, a tendência é da permanência de excedentes durante todo o período.

Quanto às importações de gasolina e GLP, a tendência é de decréscimo ao longo do decênio, podendo o país atingir a autossuficiência destes derivados em 2030.

Veja aqui o mercado dos principais derivados do país